21/10/2017

VIDA EM FRAGMENTOS, HÁ MAIS DE VINTE ANOS

"Vida em Fragmentos - Sobre a Ética Pós-Moderna", de Zygmunt Bauman, é um ensaio escrito em 1995(*) sobre as realidades da Europa naquele momento histórico a partir do ponto de vista de um pensador europeu. 

Apesar de passados 27 anos desde a publicação da primeira edição, é desconcertante, atordoante, a atualidade de suas análises, tanto em relação ao mundo como quanto ao que se pode aplicar para o entendimento do que vivemos no Brasil.

A seguir, reproduzo algumas passagens para dar uma ideia do que estou dizendo. Muito mais há além disso, especialmente sobre moralidade na pós-modernidade. O extrato completo você acessa aqui.

(*) Só foi publicado no Brasil em 2011, pela Zahar!!!

-------------------------------------------------------------------------------------------------

Sobrevivência é o nome do jogo, e a sobrevivência em questão é, em regra, sobreviver até o próximo por do sol. As coisas são tomadas à medida que se apresentam, esquecidas à medida que se vão.

Determinação para viver um dia de cada vez, descrever a vida cotidiana como uma sucessão de pequenas emergências, passam a ser os princípios orientadores de toda conduta racional.

[Segundo George Steiner, no mundo atual, a mensagem a ser transmitida é construída para ter] impacto máximo e obsolescência instantânea, uma vez que o espaço por ela ocupado precisa ser esvaziado tão logo tenha sido preenchido, para abrir espaço a novas mensagens que já forçam a entrada.

Ruas hoje arrumadas se tornam perigosas amanhã, as fábricas desaparecem com os postos de trabalho, habilidades não encontram mais compradores, o conhecimento se transforma em ignorância, a experiência profissional se converte em deficiência, redes de relações seguras desmoronam e enlameiam o espaço com lixo pútrido.

O cotidiano deve ser cada vez mais sangrento, chocante e, além do mais, "criativo", a fim de despertar algum sentimento que seja, e verdadeiramente chamar a atenção.

Um sintoma amplamente divulgado do retorno da violência é a crescente dificuldade em manter separada orientação paterna firme e abuso infantil; flerte e assedio, investida sexual e atentado violento ao pudor.

"A tecnologia se desenvolve porque se desenvolve"; cada vez mais novos meios são criados seguindo apenas seu próprio ímpeto (o ímpeto dos laboratórios de pesquisa e dos lucros do marketing).

É banal dizer que se pode matar hoje sem nunca olhar a vitima no rosto. Depois que afundar uma faca num corpo, estrangular ou atirar a curta distância foram substituídos por pontos que se deslocam numa tela de computador - como se faz nos divertidos consoles de viedogame ou na tela de um Nintendo portátil -, o assassino  não precisa mais ser impiedoso. Ele não tem a oportunidade de sentir piedade. Este, entretanto, é o aspecto mais óbvio e trivial, ainda que o mais dramático, de "uma ação à distância".

Os vira-latas de ontem eram os não produtores; os de hoje, são os não consumidores.

O divórcio entre a autarquia política e autarquia econômica não poderia ser mais completo, e parece irreversível.

A disputa pela soberania torna-se cada vez mais a competição por um melhor negócio na distribuição mundial de capital. Isso se aplica aos dois tipos de clamor por soberania ora observados. De um lado, os provenientes de localidades prósperas, como a Lombardia (Itália), a Catalunha (Espanha) (...)

[Uma explicação para o que enfrentamos nos relacionamentos com as empresas nos dias atuais.] As organizações se defendem [de nós] através do fenômeno da "flutuação de responsabilidade". Considerando que o membro da organização siga suas regras fielmente e faça o que seus superiores lhe disseram para fazer, não é ele quem assume a responsabilidade por qualquer efeito que sua ação possa produzir sobre seus objetivos. Quem assume, então? A questão é atordoante, uma vez que todos os outros membros da organização também seguem procedimentos e ordens. Parece, diz Hannah Arendt, que a organização é governada por ninguém - ou seja, é movida apenas pela lógica impessoal de princípios autopropulsores.

Nas palavras de Mulgan, "o egoísmo e a ganância, além da corrupção no governo e nas empresas, passaram a ser as marcas distintivas da era  neoconservadora.

[E quanto à sua história de fidelidade com as empresas, especialmente com bancos, não valer mais de nada] cada transação comercial, para ser verdadeiramente racional, deve começar do zero, esquecendo méritos passados e dívidas de gratidão.

Num mundo em mudança, à deriva, que possível beneficio pode um indivíduo obter da união de forças com outros também em destroços?

Quem precisa de política quando os interesses e significados seguem direções apartadas? O interesse pela política sempre teve seus altos e baixos, mas agora parece que conhecemos uma cepa totalmente nova do vírus da apatia eleitoral.

Mais importante e ainda menos provável é a perspectiva de um esforço legislativo que siga imperativos éticos de longo prazo, em vez de ser empurrado como um plâncton por cálculos e ganhos eleitorais imediatos e de curta duração.

As pessoas podem influenciar os assuntos que lhes digam respeito de duas maneiras: por meio da voz ou por meio da saída. A diferença entre voz e saída é a diferença entre compromisso e desprendimento, responsabilidade e indiferença, ação política e apatia.

O perigo é de a sede humana de controle e supremacia degenerar em crueldade e opressão desumanas.








18/10/2017

SERES EM PEDAÇOS.

"Consequências da fragmentação: precipita a extinção e o declínio da população; a fragmentação causa mudanças no balanço competitivo entre as espécies, exacerbando as ameaças à sua diversidade." 
Coletado na web, sem autoria.

Estamos nos tornando seres despedaçados pós fragmentação das coisas no mundo da modernidade líquida. Nem todos já se sentem assim. Uns percebem que não são mais sólidos em suas certezas como até em um passado recente e buscam âncoras de resistência; outros já se vêem em pedaços que não se juntam e se perguntam "até quando?". Outros, simplesmente negam tal possibilidade de desmanche existencial.

Mas a fragmentação é ubíqua. Onipresente e onipotente. Só não é onisciente pois a informação é superficial, incompleta e desconexa. "La pièce de résistance" é negar o contraditório. Só queremos ouvir o que nos conforta em nossas angústias. O trabalho é temporário por tempo indeterminado. O amor é fluido como as águas do rio que rumam a outros leitos. Tudo o que era sólido derreteu sob o calor das tecnologias disruptivas. Onde foram parar nossas certezas? Não sabemos mais e não temos tempo para lidar com nossos filhos. Educá-los foi transferido para a exclusividade de escolas e professores presos aos métodos do século XIX porque não dão conta de entender seus papéis no século XXI. Os eventos passam como ventos em nossas vidas, rápidos, fortes e caóticos, enquanto nossa capacidade de adaptação/adequação/assimilação é desesperadoramente lenta. Nossas escolhas são fluídas, frágeis, pois nem mesmo temos tempo e discernimento para enxergar e avaliar as opções?

A verdade não tem qualquer relevância. Vale a versão midiática. A que atende aos interesses super-imediatos. O fato é ignorado, apenas a interpretação oficial deve ser considerada. E vale enquanto um novo fato, um novo interesse sem mesmo ter conexão com o anterior, não há continuidade, apenas sobreposição. A enxurrada de tuítes, zaps, posts, curtidas e notícias do último minuto, anexadas a charges, fotos ou vídeos, se fundem numa massa grotesca, confusa e disforme, transferida para a lixeira no tempo de uma viagem de metrô, de uma espera na ante-sala do dentista, porque o espaço de armazenamento se esgotou.

Estamos em pedaços. Não somos mais inteiros. Como maridos, devemos ser mães. Como mães, devemos ser provedoras. Como profissionais nos dizem que temos que ser multifuncionais. Esqueça a competência. A autoridade do conhecimento não é mais necessária pois o Google é nosso Papai-Sabe-Tudo deste nosso século. Tudo o que querem de nossos jovens é a energia de fazer que neles parece infinita. O trabalho é pontual. Somos parte de uma pequena parte. O resultado final quase nunca nos é dado saber. Pois não importa a qualidade do resultado. $$ó o re$ultado.   


A privacidade protegida nas constituições das nações mundo afora, é um conceito perdido em discursos vazios. Somos bisbilhotados em nossos comportamentos cotidianos mais comezinhos. A nuvem agora armazena tudo sobre mim. Tem as fotos que tirei com meu celular; tem imagens minhas captadas e gravadas por câmeras espalhadas por ruas, salas de espera, halls de bancos; tem toda a história de meus relacionamentos contada pelas milhares e milhares de mensagens trocadas pelos tantos aplicativos que tenho instalado; tem o rastreamento de todos os links que visitei em todas as minhas navegações, desde simples consultas na wikipédia até meus sites pornográficos preferidos, passando, obviamente, por todos os meus desejos de consumo satisfeitos ou apenas manifestos. Não existo mais como ser-humano. Meu ser, eu como indivíduo, sou construído a partir de uma pergunta (query) construída com parâmetros para atender um objetivo específico, aplicada sobre um banco de dados ao qual não tenho acesso e muito menos controle sobre o conteúdo. Neste contexto, deixei de ser uno, me tornaram um infinito de seres virtuais.

Nossa fragmentação nos deixou com um vazio. Nosso sentimento de pertencimento, a cola de nossa solidez perdida, estragou, perdeu a validade e a eficácia. Já vivemos o vazio pós sermos empurrados no precipício do mundo globalizado. Estranhamos o outro, nos defendemos do outro, agredimos o outro, porque  não temos nada que nos sobreponha como valor comum. Estamos tão fragmentados que não nos reconhecemos mais nem mesmo em nossos núcleos familiares. A intolerância se instalou nas casas onde cada um é solitário com seu computador ou smartphone pessoal. Nossa comunicação deixou até mesmo de ser restrita a 140 caracteres. Agora ela se resume a 👍,👎,😉 ou 😖.

Não nos vemos mais como uma só humanidade. Só a minha humanidade é real. A minha opinião é a única e universal verdade. Só a minha existência importa. A solidariedade deixa de ser uma atitude moral para virar um conceito utópico, distante, inalcançável, irreal. Desnecessário. A moral deixa de ser um impositivo para o sentimento de felicidade e para a qualidade das relações humanas.

Se toda tendência provoca uma tendência contrária, quanto ainda falta para que esta ganhe tal vulto que nos confronte e nos induza a refletir, questionar, reavaliar e optar? O que haverá num futuro momento de equilíbrio de tendências contrárias?  Abandonamos a era da modernidade sólida substituindo-a por uma pós-modernidade líquida que nos receita Rivotril ou Lexotan seguido de sessões em um divã no consultório do psiquiatra (não mais que Viagras para levantar o ânimo e provocar um gozo em nossa existência, agora, virtualmente vã). 

Se vamos reagir a esse destino, que destino teremos por opção? Um futuro de sólidas convicções flexíveis?